• TOP 10 do IPhônola

     

     

    Durante os trinta dias em Guadalajara, fotografei e postei algumas das mais belas e curiosas imagens que encontrei pelo caminho. Não dispunha, naturalmente, de lentes como as usadas por nossos colegas fotógrafos…

     

     

     

     

    Mas o IPhônola foi o bastante para registrar alguns bons momentos, que listo abaixo:

     

     

    1) Patinação artística 1

     

     

     

     

    2) Maratona aquática

     

     

     

     

    3) Patinação artística 2

     

     

     

     

    4) Hipismo

     

     

     

     

     

    5) Trânsito sem lei

     

     

     

     

     

    6) As pimentas do mercadão

     

     

     

     

    7) O papo secreto da seleção feminina

     

     

     

     

    8) O amanhecer preguiçoso

     

     

     

     

    9) Bimba a caminho doTRI

     

     

     

    10) A classe Snipe na frente da concorrência

     

     

     

    Deixe seu comentário sobre a ordem aqui disposta no TOP 10. Disposições em contrário serão aceitas e bem acolhidas.

    Por viniciusdonola
    October 30, 2011 às 5:14 pm
  • Tinha tudo pra dar errado

     

     

    A história improvável de um campeão

     

     

     

     

    Por viniciusdonola
    October 26, 2011 às 3:05 am
  • Com eles, a gente não passa vexame

     

     

    Show. Memorável. Quem testemunhou, guardará para sempre na caixola. Desce barco, sobe barco, e pulula ouro para o Brasil em Nuevo Vallarta.

     

    Já tínhamos faturado dois ouros por antecipação no sábado. Esperavam-se mais medalhas no domingo. E vieram. Cinco!

     

    Taí a tripulação do J 24. Os quatro velejadores foram os primeiros a sair da água, domingo, abrindo champagne e vestidos de bandeira. São eles: Santa Cruz, Guilherme Hamelmann, Daniel Santiago e Spanto.

     

     

     

     

    Bimba, o agora tri do PAN, estava na frente quando foi para a última e decisiva regata. Voltou com sua prancha vibrando muito, quando todos acreditavam que aquele ouro – o quarto – seria seguido por mais uma prata, além da já conquistada no Hobie 16.

     

     

     

     

    Por fim, a notícia que faltava para tornar o bom, surreal. Os meninos da classe Snipe, Alexandre Tinoco e Gabriel Borges, que amanheceram em segundo, voltaram para o Yatch Club em primeiro.

     

    Os outros velejadores da nossa delegação foram até a água e carregaram o barco – no braço – até perto de onde estávamos, jornalistas, torrando sob o sol, porém certos de que a história escorria à nossa frente.

     

     

    Na terra que ainda se autoproclama “o país do futebol”, foram os heróis da vela que bateram um bolão. Eles honram as cores que ostentam.

    Por viniciusdonola
    October 24, 2011 às 4:20 am
  • Um mar de medalhas

     

     

    A cronometragem foi traiçoeira em Puerto Vallarta. Anunciou, neste sábado, Ana Marcela da Cunha como segunda colocada nos 10 km da maratona aquática.

     

     

     

    Cheguei a entrevistá-la, acreditando que a jovem campeã do Circuito Mundial havia, de fato, chegado à frente de Poliana Okimoto, prata no PAN do Rio. Ledo engano. Aí está Poliana e sua segunda prata em Jogos Panamericanos.

     

     

     

     

    Ainda em Puerto Vallarta, a praia nos deu mais um ouro, além do conquistado por Juliana e Larissa. Emanuel e seu parceiro, o grandalhão Alison, atropelaram os rivais da Venezuela.

     

     

     

     

    Mas foi na vizinha, Nuevo Vallarta, que lavamos a alma com água salgada e champagne. Por antecipação, Patrícia Freitas e Matheus Dellagnello, que aparecem no post anterior, faturaram os dois primeiros ouros da vela para o Brasil.

     

    Seis outras classes ainda brigam por medalhas. Na foto, Alexandre Tinoco, da snipe, que vibrou muito com os dois jovens campeões do sábado. Ele está com um pé no pódio.

     

     

     

     

    Neste domingo, na costa mexicana pacífica, teremos mais medalhas e o pódio da vela. Gosto das fotos de gente com medalha.

    Por viniciusdonola
    October 23, 2011 às 4:01 am
  • A chapa é quente em Puerto Vallarta

     

     

    Puerto Vallarta, na costa mexicana voltada ao Pacífico, é minha nova parada do PAN. Aqui, ganhamos ouro no vôlei de praia feminino, estamos na final do masculino e podemos colher bons resultados na maratona aquática, triatlon e vela.

     

     

     

     

    O Brasil termino o antepenúltimo dia de regatas com larga vantagem em pelo menos duas classes: Sunfish, com o catarinense Matheus Dellagnello, campeão do mundo este ano…

     

     

     

     

    … e Patrícia Freitas, tricampeã brasileira da RS: X, uma das categorias do Windsurf.

     

     

     

     

    Bimba, também da RS: X, é o terceiro velejador do Brasil que dorme de sexta para sábado com a mão – e o pensamento – no ouro. Fechou as regatas de sexta na frente de seus oponentes.

    Outros atletas, como o trio da classe Lightning, segue com grandes chances de subir ao pódio.  Aí estão Marcelo Silva, Gunnar Ficker e Cláudio Biekarck, o Klaus.

     

     

     

     

    Acostumada com sol, a galera bronzeada da vela está forjando suas (talvez, muitas) medalhas sob o maçarico de 40 graus, que derrubou nesta sexta a campeão Juliana, do vôlei, depois da vitória suada sobre as mexicanas.

    Como cautela não faz mal a ninguém, cruzei a rua, fui à farmácia e caprichei no protetor. Fator 85! Não conheço a marca. A prateleira não oferecia grandes opções.

     

     


    Por viniciusdonola
    October 22, 2011 às 12:53 am
  • Xô, estreia!

     

    Os meninos da renovada seleção brasileira de futebol tiveram hoje o primeiro de uma série de compromissos no belíssimo estádio do Chivas.

     

     

    E justo contra quem…

     

     

    Saímos na frente no placar, no segundo tempo do jogo, mas demos um mole danado. Os argentinos empataram. Vai falar o que, Peixe?

     

     

     

    O publicou vaiou ambas as seleções no fim da partida. 1 X 1. Nós não gostamos. Eles também não.

     

     

     

     

    Segue a saga. Que não siga a sina. Faz tempo que nosso futebol não morde o ouro do PAN.

     

    Por viniciusdonola
    October 20, 2011 às 3:05 am
  • Passe de Magic

     

     

    Tem sido uma honra e um profundo aprendizado conviver com nossos comentaristas do PAN em Guadalajara. Por motivos de escala de trabalho, ou, talvez, por pura afinidade, um grupo menor – e divertido – anda sempre junto, dentro e fora do IBC (principalmente, fora…). Estranho no ninho dos campeões, eis que me vejo na turma.

     

     

    Numa de nossas muitas e longas conversas informais, Magic Paula me contou de um projeto que está desenvolvendo com crianças carentes e atletas de alto desempenho. Comecemos pelos atletas.

    A gestora Magic Paula criou um instituto, pelo qual estabelece uma ponte de entre uma empresa gigante, a Petrobras, e cinco confederações desportivas. Interessada em bancar atletas, mas também preocupada com a lisura na administração dos recursos, a estatal repassada para o Instituto Passe de Mágica milhões de reais em patrocínio (R$ 100 milhões até 2014), que são repartidos entre competidores do boxe, remo, esgrima, levantamento de peso e taekwondo.

    Na foto abaixo, o medalhista do PAN, Márcio Wenceslau, que recebe salário, plano de saúde, auxílio alimentação, além apoio às viagens para competição.

    Com as crianças, Magic desenvolve o que chama de “basquete lúdico”. Ela criou oito núcleos do projeto no estado de São Paulo: 2 em Piracicaba, 3 na capital, 2 em Diadema e 1 em São Bernardo do Campo. Professores de Educação Física, assistentes sociais e outros profissionais bancados por Paula trabalham com a criançada, em parceria com instituições como o SESC. Se, entre os pequenos, pintar um(a) craque, tanto melhor. O objetivo não é fabricar talentos, mas talhar pessoas.

    Neste momento, o “seleto” grupo me chama para mais um compromisso fora do IBC. Devo dizer que eles são um presente inesperado que levarei de Guadalajara.

    Por viniciusdonola
    October 19, 2011 às 2:27 am
  • Romário, Ivy e os Angry Birds

     

    Romário atravessou a rua que separa o hotel do IBC como um transeunte qualquer, acompanhado de Ivy, a filha de seis aninhos. Fugaz anonimato. Mal subiu as escadas rolantes que levam ao segunda andar do centro de imprensa, foi rodeado de jornalistas e fãs. Ou jornalistas fãs, como queiram.

    Só tivemos sossego para gravar com o Baixinho no interior da redação.

     

     

    Romário já foi comentarista, na Copa da França, quando cortado do grupo. Mas colaborou com a narração dos estúdios do Brasil. Jamais comentou in loco, e o fará nesta terça, no jogo Brasil X Argentina, no feminino. – Quem ganha?, pergunto.

     

     

    1 X 0 Brasil, responde o craque. Futebol à parte, a herdeira de Romário deu um show no espaço da Record. Tomou meu microfone e saiu entrevistando todo mundo que encontrava. – Como é o seu nome?…

    E quando lhe perguntavam: – Como é mesmo o nome do teu pai?, Ivy dizia: – Romário jogador.

    Enquanto o pai esperava para entrar na bancada do Jornal da Record, eu e Ivy jogamos “Angry Birds” no IPhone e tiramos fotos. Abaixo, a foto que ela mesma tirou.

     

    Por viniciusdonola
    October 18, 2011 às 3:15 am
  • O sol preguiçoso de Guadalajara

     

    Sete da manhã ainda é madrugada na cidade do PAN. Tudo escuro. É estranho abrir a cortina do quarto, olhar para Guadalajara do alto e se ver cercado pelo breu da matina. Dá-me a impressão de ter caído mais cedo da cama do que, de fato, caí.

    7:00

     

     

    Em meia hora, o céu clareia e a noite tardia se vai.

    7:30

     

     

    Quinze minutos depois, o preguiçoso dá sinais no horizonte.

    7:45

     

     

    Às oito, enfim, malemolente, o Astro maior dá o ar graça. É hora de entrar no IBC.

    8:00

     

    Por viniciusdonola
    October 16, 2011 às 10:25 pm
  • O PAN da bola

     

    Depois da nuvem negra que despejou água sobre as nossas telhas por dias seguidos, eis que o sol nos brindou com uma sexta-feira agradável, e os meninos do Brasil puderam treinar – a seco.

     

     

    Felipe Amorim não treinou com os demais. Ainda sentindo o entorse do tornozelo esquerdo, o meia do Goiás fez apenas trabalho de fisioterapia.

     

    O time é novo. Quatro dos jogadores foram campeões da Sub-20. Misael, do Grêmio, é o caçula do grupo: 17 anos.

    Hoje, eles treinaram com bola num campo de grama sintética, ao lado da Vila Olímpica.

     

    http://www.youtube.com/watch?v=edr8sSYiPtc

     

    Na quinta, dia 13, foi o primeiro treino da renovada seleção feminina. Sem Marta e Cristiane, elas buscam o TRI. Para elas, o tempo não deu molezinha…

     

     

    Bia saiu do campo com o joelho enfaixado. O doutor disse que ela está bem, obrigado.

     

    http://www.youtube.com/watch?v=8A6zXUpxDEo

     

    Tô gostando desse negócio de voltar a cobrir futebol!…

    Por viniciusdonola
    October 15, 2011 às 3:06 am
MAIS ANTIGOS

 

Share
Arquivo

 

TWITTER
SIGA-ME NO TWITTER

 

 

 

viagra